Apoios e incentivos à Reabilitação Urbana em Lourinhã

O Município da Lourinhã vai beneficiar de verbas do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) para levar por diante diversas acções de reabilitação e requalificação de edifícios e espaço públicos, contratualizadas com a CCDR Centro, no âmbito do Plano de Acção de Reabilitação Urbana (PARU). A Lourinhã enquadra-se nesta tipologia de financiamento, em função da sua classificação como Centro Urbano Complementar, definida no âmbito do Plano Regional de Ordenamento do Território do Oeste e Vale do Tejo.


As operações urbanísticas definidas pelo PARU visam a melhoria do ambiente urbano e incidem, por imposição do referido Plano, exclusivamente na sede do concelho. O PARU possui também a possibilidade dos particulares poderem vir a ter acesso a instrumentos financeiros vantajosos para a reabilitação urbana dos seus prédios, desde que integrados na ARU (Área de Reabilitação Urbana) publicada no Diário da República n.º 211/2016, Série II de 2016-11-03.

Ao todo, vão ser investidos cerca 2 milhões e 500 mil euros na reabilitação da vila. O FEDER comparticipa 85% deste montante, que já inclui uma majoração de 10% pelo facto da autarquia ter concluído, dentro do prazo definido, 15% da primeira acção inscrita no PARU – a Reabilitação integral da antiga Casa dos Cantoneiros. 

O plano de acção é amplo e inclui a reabilitação de vários espaços exteriores e zonas verdes, a criação e dinamização de rotas e circuitos turísticos, bem como a requalificação de edifícios públicos. 

No eixo ribeirinho da vila está prevista a valorização do Parque Verde da Cegonha e a criação de um corredor ecológico (intervenção no troço urbano do Rio Grande) que vai permitir à população fruir desta área. 

A par da Casa dos Cantoneiros, o PARU inclui a requalificação e reabilitação de outros edifícios, como é o caso do mercado municipal e o antigo edifício dos Paços do Município. 

A zona envolvente à Igreja do Castelo e o espaço público da rua Eng. Adelino Amaro da Costa são outros pontos a reabilitar. 

No âmbito da valorização espaço público, ancorado na dinamização do nicho do Turismo Religioso, está definida a criação de circuitos das capelas e dos passos procissionais da vila. 

Destaca-se, ainda, a criação de uma rota urbana de dinossauros – um percurso a beneficiar urbanisticamente, que vai incluir dinossauros à escala real, numa ligação a este elemento marcante da nossa identidade enquanto território. 

Estas intervenções enquadram-se no horizonte temporal deste quadro de financiamento, podendo decorrer até 2020.